Palavra do dia

"Eis que DEUS é meu ajudador, o SENHOR é quem me sustenta a vida." (SALMO 54:4)


sexta-feira, 4 de julho de 2014

OS EVOLUCINISTAS INVESTEM NAS CRIANÇAS


A recente decisão do governo do Reino Unido de proibir o ensino do criacionismo em escolas e universidades públicas mostra que, com o passar do tempo e o acirramento da controvérsia entre o criacionismo e o evolucionismo, cientistas evolucionistas e religiosos liberais vão se aproximando cada vez mais e hostilizando o grupo dos que defendem o relato da criação como registrado no livro bíblico de Gênesis. Mesmo as escolas vinculadas a igrejas estão sendo “motivadas” a adotar um “currículo mais amplo e equilibrado”. Traduzindo: um currículo que inclua a teoria da evolução desde as séries iniciais, preparando, assim, as crianças para aceitar a teoria de Darwin.

O governo do Reino Unido diz que, como não está de acordo com as evidências e consensos científicos, o criacionismo “não deve ser apresentado aos alunos como uma teoria científica”. Como diz o ditado, toda generalização é burra. E aqui parece que, uma vez mais, não interessa detalhar o problema. De fato, o criacionismo não deve ser apresentado como uma “teoria científica”, já que tem fundamentos religiosos, mas dizer que ele não conta com evidências científicas é “forçar a barra”. O que dizer da existência de informação complexa e específica que sempre depende de uma fonte informante? O que dizer da impossibilidade de as mutações darem origem a novos órgãos funcionais e novos planos corporais? O que dizer da incapacidade de a seleção natural explicar a existência do mais apto? (Ela só explica a sobrevivência do mais apto, não como teria “surgido” esse mais apto.) O que dizer dos sistemas de complexidade irredutível que precisavam funcionar perfeitamente bem desde que foram criados, sob o risco de não haver vida depois para “contar a história”? O que dizer da constatação de que as “camadas” da coluna geológica são, em geral, plano-paralelas, sem evidência de erosão entre elas, o que sugere uma formação rápida e catastrófica? O que dizer da imensa quantidade de fósseis de dinossauros descobertos em todos os continentes, com evidências de que foram mortos sob água e lama, em estado de agonia? O que dizer de mais um monte de evidências que não “fecham a conta” quando o assunto é evolucionismo? Jogar tudo isso para debaixo do tapete e fingir que elas não existem?

Outra coisa: se o criacionismo não deve ser ensinado nas escolas por não ser “científico”, o macroevolucionismo também não deveria, pois é essencialmente filosófico, metafísico. Como assim? Macro ou megaevolução é a hipótese segundo a qual a vida teria surgido da não vida, num mar primordial, há bilhões de anos. Essa forma de vida rudimentar, num “passe de mágica”, precisou “adquirir” complexidade (o que significa receber não se sabe de onde grande quantidade de informação genética para dar origem a órgãos antes inexistentes, como os sistemas reprodutores masculino e feminino, por exemplo, que deveriam “surgir” em dois organismos distintos, simultaneamente, no mesmo espaço geográfico, e tornar esses seres diferenciados compatíveis e capazes de gerar uma nova forma de vida igualmente sexuada). Assim, de uma “célula primordial” (e olha que uma célula, por mais simples que se possa concebê-la, já é ultracomplexa) teriam se originado todas as formas de vida, desde uma árvore até um ser humano, passando pelas aves, os insetos e as baleias. Isso não é científico. Isso não é empiricamente observável. Não há evidências conclusivas a esse respeito. Tanto é assim que, se você perguntar a um evolucionista quais são as evidências reais da evolução, ele citará as bactérias que adquirem resistência a antibióticos ou a variação nos tentilhões das ilhas Galápagos, “esquecendo-se” de que depois de muitos anos de observação, pesquisa, mutações e adaptações, as bactérias continuam sendo bactérias e os passarinhos de Darwin continuam sendo passarinhos. Dar evidências de microevolução para sustentar a macro não vale. Mas quem explica isso? A mídia é que não. E o governo do Reino Unido muito menos.

O documento do governo considera como criacionismo “qualquer doutrina ou teoria que sustenta que os processos biológicos naturais não podem explicar a história, a diversidade e a complexidade da vida na Terra e, portanto, rejeita a teoria científica da evolução”. Note como é capcioso o tal documento: criacionismo é doutrina (religião), enquanto evolucionismo é ciência. Já vimos que a coisa não é tão simples. Ambos os modelos (criacionista e evolucionista) têm componentes científicos e metafísicos. Mas é conveniente que se polarize a discussão como sendo ciência versus religião, e assim eles blindam o evolucionismo de qualquer crítica.

Segundo matéria publicada no jornal O Globo, “a crença religiosa segundo a qual a vida e o planeta Terra teriam sido criados por Deus em seis dias vem alimentando polêmica em diversos países nos últimos anos [ou seja, os criacionistas que creem nos seis dias são os polêmicos, personas non gratas; e serão cada vez mais vistos dessa forma...]. Em alguns casos, a teoria chegou a ganhar novas roupagens, como o chamado ‘design inteligente’ [e nem adianta querer explicar que design inteligente não é criacionismo]. Em resposta, cientistas passaram a defender que a Teoria da Evolução, de Charles Darwin, fosse ensinada às crianças a partir dos cinco anos”.

Ou seja, para fazer frente ao criacionismo, o negócio é doutrinar as crianças em evolução, justamente numa idade em que elas acreditam sem questionar. O foco deles é a nova geração. Portanto, que os criacionistas cuidem da deles.

Por Michelson Borges

(Criacionismo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...