Palavra do dia

"Eis que DEUS é meu ajudador, o SENHOR é quem me sustenta a vida." (SALMO 54:4)


domingo, 31 de agosto de 2014

O CRISTÃO BIBLICO E O CRISTÃO CULTURAL, QUAL DELES É VOCÊ?

[...]
QUAL A DIFERENÇA ENTRE UM CRISTÃO BÍBLICO E UM CRISTÃO CULTURAL?
[...]
O cristianismo cultural é um costume, uma forma de vida, uma opção religiosa ou mais precisamente uma ideologia.
O cristianismo cultural não está verdadeiramente preocupado com a causa de Deus e sim o quanto tirará de vantagem disso.
O cristianismo cultural não está disposto a morrer e sim desfrutar, deleitar-se e nunca fará nada que incorrerá em sacrifício
Cristianismo cultural significa buscar o Deus que queremos em vez do Deus que Ele é.
É a tendência à superficialidade em nossa compreensão de Deus, desejando que ele seja mais do tipo vovô bonzinho que nos mima e nos deixa fazer o que queremos.
É sentir uma necessidade de Deus, mas dentro das condições por nós estabelecidas.
É desejar o Deus que sublinhamos em nossas Bíblias sem querer também o restante dele.
É o Deus relativo em vez do Deus absoluto.
Cristianismo cultural é cristianismo tornado impotente.
É cristianismo com pouco ou nenhum impacto sobre os valores e crenças de nossa sociedade. Quando o conceito de vida secular é incorporado ao conceito de vida cristão, nenhum dos dois sobrevive
O cristianismo cultural requer que Deus nos conceda paz pessoal e riqueza para provar que ele nos ama.
É o Deus amor, mas não o Deus santo. Na realidade, Deus nos ama tanto que limpará o cristianismo cultural de nossas vidas, assim como o ourives purifica a prata queimando a impureza.
Como os brinquedos mutáveis com que as crianças brincam, freqüentemente queremos que Deus seja ajustável — que se adapte aos nossos caprichos em vez de nós nos adaptarmos a Ele.

PORQUE NOS TORNAMOS CRISTÃOS CULTURAIS?
Um dos principais fatores responsáveis por mais da metade da Igreja Evangélica mundial ter se tornado uma cultura e não uma fé genuinamente bíblica são as teologias que apresentam um evangelho imediatista. Ou seja, um evangelho que vem de encontro aos nossos problemas e aflições, que tem a única função de sarar, curar, e satisfazer nossas necessidades imediatas.
Não nos enganemos a Igreja de hoje é produto da atmosfera que estamos gerando em nossos púlpitos em nossas reuniões e na mídia mercantilista de algumas denominações.
Por que os cristãos não oram mais?
Não oram porque não precisam, pois quando tem um problema participam de uma campanha mística em prol de causas impossíveis ou coisas do tipo! Ofertam grandes somas, fazem um voto ou recorrem a amuletos e rituais. Se isso já resolve o problema então para que manter comunhão com Deus?
Estas praticas produzem crentes sem intimidade, sem vida espiritual. Pessoas que aprenderam uma religião e não uma fé, ou mais precisamente foram inseridas dentro de uma cultura.
Pra que orar se não tenho problemas aparentes?
Pra que jejuar se tudo vai bem em meu trabalho, ou empresa, se minha vida familiar, sentimental esta caminhando?
Lembro-me de um tempo em que orávamos porque queríamos dons espirituais, desejávamos que outras pessoas fossem salvas e sentissem a alegria que sentíamos.
Lembro-me de um tempo em que nossa fé não girava em torno de CARROS, CASA PRÓPRIA, EMPREGO, SALÁRIOS, VIDA SENTIMENTAL e coisas do gênero. Mas almejávamos os altos objetivos celestiais, o desvendar dos mistérios de Deus, o conhecer do seu Espírito. Almejávamos experiências com o Pai! Tínhamos em mente que passaríamos por aflições, mas nos alegrávamos porque JESUS já havia vencido o mundo.
"Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo".( João 16:33 )

Hoje ser cristão é ter e comer o melhor desta terra é usufruir do prazer desta vida. Não vejo isto nos Evangelhos e nem mesmo na Bíblia inteira. Vejo um chamado ao compromisso e a obediência a este chamado às vezes inclui não possuir nada, deixar sua família, amigos, bens, oferecer-se em sacrifício principalmente negar a si mesmo.
Bem conheço as benções do Evangelho, mas são conseqüência de uma vivencia com Deus já que onde Ele está presente as trevas sempre batem em retirada.
Não quero este Evangelho cultural, pois tal doutrina apenas me apresenta aquilo que SATANÁS me oferece todos os dias para que eu desista de JESUS, riqueza, poder, felicidade, dinheiro e alivio do sofrimento.
Se o Evangelho é apenas isto que esta cultura gospel esta apresentando na mídia então que tem dinheiro, casas, carros e família não precisa dele, pois já tem tudo que ele poderia oferecer.

SOU UM CRISTÃO BIBLICO OU UM CRISTÃO CULTURAL?
Como saber se estou seguindo uma cultura ou se o verdadeiro Evangelho entrou em minha vida e em meu coração?
Destaco a seguir alguns pontos que nos mostrarão a diferença entre estes dois tipos de cristão.
Cristão Bíblico diferente do mundo:
O Cristão bíblico possui valores diferentes do mundo, preocupa-se com as coisas e causas de Deus. Suas conversas envolvem temas na maioria das vezes espirituais. Possui um conjunto de valores que fogem da futilidade das coisas terrenas.
Cristão cultural se encaixa ao mundo:
Diferente do cristão Bíblico o cristão cultural consegue manter os mesmos valores que qualquer pessoa não cristã. Consegue se vestir da mesma forma, ouvir as mesmas musicas, falar dos mesmos assuntos e se preocupar com os mesmos problemas. Este tipo de cristão não fará falta nenhuma no reino de Cristo e também não exerce nenhuma influencia espiritual na vida de outras pessoas.
Cristãos bíblicos costumam gastar horas do seu dia em oração jejum e leitura da Bíblia:
Cristãos bíblicos costumam cultivar um verdadeiro relacionamento com Deus através de oração, jejum, leitura, estudo das Escrituras, pregação da Palavra. São os que costumamos chamar de servos e não somente crentes.
Tais pessoas estão preocupadas com os sonhos de Deus, as visões de Deus e para tais coisas costumam sacrificar seu tempo. Preocupam-se com santificação pessoal e uma vida interior voltada ao Evangelho santo, não fazem alianças com o diabo permitindo que pequenos pecados as corrompam, cultivam e valorizam um ministério, uma chamada. Também costumam estar bastante envolvidas com a batalha espiritual destes últimos dias.

Cristãos culturais apenas enfeitam as igrejas:
Cristãos culturais em sua maioria tem consciência de que devem orar, jejuar, ler a Bíblia e dar espaço a compromissos com Deus, porem nunca fazem isto! Vivem presos a uma rotina mundana e materialista. Afirmam constantemente que gostariam de ter mais tempo para oração, gostariam de ler a Bíblia, mas estão sempre ocupados ou as responsabilidades os estão exaurindo. Trabalho faculdade, empresa, escola e compromissos sociais ocupam sempre o primeiro lugar na vida de um cristão cultural, nunca darão este lugar a Deus.
O Evangelho, Jesus e a sua palavra serão sempre um acessório na roupa espiritual de um cristão cultural.

Todos nós temos tendências a nos tornarmos cristãos culturais. As rotinas da vida e até mesmo rotinas das igrejas e grupos evangélicos muitas vezes podem nos distanciar de Deus a ponto de nos sentirmos seguros dentro do meio em que vivemos.
Um cristão radical me disse uma vez que um crente precisa estar constantemente enfrentando lutas e provas, pois do contrario cai no comodismo e é dominado por Satanás.
Embora não concorde com esta visão, vejo, no entanto certa realidade nisto, pois quando estamos passando por lutas nos voltamos para Deus, nos colocamos constantemente na dependência dele, ficamos mais alerta e cuidamos melhor da nossa fé.
Quando estamos passando por momentos de paz costumamos relaxar e dar mais vazão a nós mesmo e aos desejos da nossa carne esquecendo que temos um inimigo que nos persegue dia e noite
"Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar".( 1 Pe 5:8)

[...] não posso simplesmente traçar planos e esperar que Deus se encaixe neles. Ao contrario! Devo me encaixar nos planos de Deus mesmo que isto signifique negar a mim mesmo.
Todos os tipos de crentes podem ser levados ao cristianismo cultural. Alguns lideres podem vir a cair no comodismo das instituições e se acostumar com uma vivencia programada que poderá até gerar certa satisfação e falso senso de justiça, no entanto sabemos que o Evangelho é poder, milagres, conversão transformação de vidas, libertação e uma grande porção de obras sobrenaturais, resultados bem diferentes dos que obtemos quando estamos mergulhados em uma cultura.
O que devo fazer então?
Bom! Será bem difícil!
Se você percebeu que é um cristão cultural e não um cristão bíblico, dependendo do tempo em que leva sua fé de qualquer maneira, pode ter adquirido alguns vícios de comportamento.
Isto é muito serio, pois os vícios substituem uma verdadeira conduta cristã por falsos sacrifícios que na realidade fazemos por prazer e não por desejo de servir a Deus.
Existem pessoas que dirigem o louvor da igreja e por tal atitude acham que estão servido a Deus, fazendo sua parte. Mas ao mesmo tempo não refreiam sua língua, cultivam sentimentos lascivos, assistem pornografia, cobiçam pessoas e coisas que não são para si.
Nestes casos o cargo no coral da igreja, o ministério de pregação e evangelismo ou qualquer posição que estas pessoas ocupam servem como meio de justificação. Tolo engano de Satanás!
São vícios que nos matam espiritualmente e nos transformam em cristãos totalmente culturais, nos fazendo viver um teatro gospel ao invés de uma vida intima e verdadeiramente funcional com Deus.
Se eu fosse resumir os pontos principais para que alguém se torne um verdadeiro cristão digno de reconhecimento e respaldo bíblico mencionaria uma receita muito antiga. Na verdade muitos desanimam quando ouvem tais conselhos e sugestões.
Trata-se de oração, jejum, leitura e estudo das Escrituras, vigilância espiritual, pregação e amor ao próximo.
Guarde estes preceitos e ensinamentos contidos neste estudo, priorize estas coisas ao invés de priorizar louvor, reuniões ou outros costumes e culturas gospel. Volte-se para atitudes que realmente mudem seu interior e relacionamento com Deus e não supervalorize atitudes que apenas constroem em você uma fé teatral.
[...]
Devemos ter em mente que a leitura da Bíblia [...] nos proporciona inspiração, conhecimento e capacidade para pregar. Ainda vale lembrar que as Escrituras testificam de Jesus, Elas nos revelam o coração de Deus e também alimentam nossa fé.
[...]
Existem muitas atitudes as quais poderíamos tomar para não cairmos no erro de viver um cristianismo cultural e bem sabemos que todas elas se resumem em praticar o Evangelho que recebemos vivermos realmente a Palavra que pregamos.
Não se conforme em viver um teatro gospel, lembre-se que o que diferencia as ovelhas dos bodes não são exatamente os pecados ou a fé, mas sim o que uns fizeram e outros não fizeram.
Estamos vivendo nossa historia com Deus. Lutemos para que possamos vive-la de maneira que experimentemos grandes coisas dentro de um cristianismo bíblico que imita a Jesus!

Escrito por: Pastor Samuel Yakov  via (O Pesquisador Cristão)

ADVENTISTAS REAFIRMAM CRENÇA NA CRIAÇÃO DIVINA

Adventistas participam no Grand Canyion
O presidente da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pastor Ted Wilson, expandiu seu recente apelo feito aos educadores da igreja – para reafirmarem sua convicção de que Deus criou a Terra há milhares de anos –  a fim de incluir todos os 18 milhões de membros da denominação, dizendo que a questão “envolve o destino eterno de cada um de nós”. Os comentários de Wilson foram feitos no fim da conferência internacional de dez dias sobre a Bíblia e Ciência, em St. George, Utah, onde cerca de 400 educadores aprovaram uma resolução comprometendo-se a ensinar a compreensão bíblica acerca das origens, e ficaram prontos para compartilhar com seus alunos as últimas pesquisas científicas que aprenderam. Em uma entrevista, Wilson disse que todos os membros da igreja devem ponderar cuidadosamente um apelo que ele fez em seu discurso na abertura da conferência, em 15 de agosto, de rejeitar a versão evolutiva das origens.

“Isso é tão intrínseco às crenças dos adventistas do sétimo dia que é vital para todos os membros da igreja reafirmar sua convicção de que Deus realmente é o Criador e criou este planeta em seis dias literais recentemente”, disse ele. “Essa é certamente uma decisão pessoal que tem de ser feita, e com toda a bondade e amor peço a cada membro da igreja que tome essa decisão, pois isso envolve o destino eterno de cada um de nós.”

Wilson, reiterando seu discurso de 15 de agosto, disse que os educadores e os pastores que aceitaram os ensinamentos de que a Terra evoluiu durante milhões e milhões de anos não devem ser autorizados a conduzir salas de aula e igrejas adventistas. Quanto aos membros regulares da igreja, disse ele, o assunto é pessoal, mas as pessoas que não têm isso resolvido em sua mente devem orar fervorosamente e tomar uma decisão.

“Essas decisões por parte de cada indivíduo vão ajudar a determinar como eles se relacionam com essa extraordinária missão confiada às nossas mãos pelo Céu, a proclamação das mensagens dos três anjos, que incluem a mensagem do primeiro anjo para adorar a Deus e dar-Lhe glória, porque Ele fez tudo”, disse ele, referindo-se a Apocalipse 14 e ao chamado à preparação para a volta de Jesus.

O discurso de Wilson – no qual ele disse que qualquer um que rejeitou a criação literal em seis dias descrita em Gênesis não poderia ser descrito como um verdadeiro adventista do “sétimo dia”, porque “sétimo dia” se refere às 24 horas do dia de sábado, no qual a semana da criação findou – provocou muitos comentários em sites adventistas do sétimo dia, durante os últimos dez dias.

Alguns adventistas têm adotado uma teoria popular de que cada dia da criação pode ter durado milhões de anos, em vez de 24 horas, misturando assim o relato bíblico com os ensinamentos evolucionistas. Essa linha de raciocínio, disse Wilson, não só invalida o sábado, mas também coloca em dúvida a inspiração do relato da criação e, por extensão, toda a Bíblia.

“É vital que cada funcionário – seja um administrador, pastor, professor, ou quem for –acredite fortemente na compreensão fundamental da criação como ensina a Igreja Adventista”, disse Wilson, no domingo. [...] E acrescentou: “Para os membros da igreja em geral, é uma questão pessoal que eles precisam discutir a sério com o Senhor.”

Wilson também mencionou a igreja em geral, em um discurso de encerramento no domingo, que se concentrou principalmente sobre os educadores. “Como professores adventistas do sétimo dia, educadores, pastores e funcionários da igreja que vivem no fim dos tempos – e não apenas os funcionários, mas todos os membros da igreja –, não devemos reduzir nossa singularidade ao sétimo dia, mas sim alardear isso como uma característica maravilhosa de vida”, disse ele.

Falando diretamente aos participantes da conferência, Wilson incentivou-os a trabalhar duro, mostrar o amor e se apegar à Bíblia. “Cientistas: continuem a fazer uma boa pesquisa científica. Façam o trabalho que Deus lhes deu de uma maneira profunda e cuidadosa”, disse ele. “Teólogos: façam a mesma coisa. Estendam a mão para aqueles que podem não concordar com o que votamos hoje e com o que a Igreja Adventista do Sétimo Dia representa. Estendam a mão para essas pessoas no cuidado e no amor – não de uma forma condescendente, mas de forma amorosa.” “Mas”, disse ainda, “quero dizer a vocês: por favor, não fiquem relutantes de qualquer maneira em defender a verdade bíblica. Sejam abertos, seja cuidadosos, mas sejam ousados.”

No fim do discurso de 42 minutos, Wilson pediu que os educadores reafirmassem sua convicção na criação bíblica, levantando-se e orando com seus companheiros.

Pouco antes do discurso de Wilson, os participantes da conferência aprovaram em uma votação verbal quase unanimemente uma declaração que afirma que a Bíblia apresenta um relato confiável de uma criação recente em seis dias literais, e que um dilúvio global destruiu a Terra, exceto uma família e animais em uma arca.

“Rejeitamos essas visões de mundo que intencionalmente removem a verdade bíblica do discurso público e do esforço científico”, diz o comunicado. “Afirmamos a necessidade de um ambiente intelectual em que as teorias concorrentes sobre as origens sejam apresentadas e discutidas abertamente dentro do contexto de uma cosmovisão bíblica. Comprometemo-nos a ensinar e defender os entendimentos bíblicos sobre as origens, em nosso papel como profissionais e como educadores adventistas.”

O documento, que foi desenvolvido durante o evento de dez dias, será submetido a uma comissão administrativa de fim de ano da Igreja, no Concílio Anual, em outubro, disse Michael L. Ryan, vice-presidente mundial da Igreja Adventista e presidente do Conselho de Fé e Ciência, que patrocinou a conferência. [...]

Lisa Beardsley-Hardy, diretora do Departamento de Educação da igreja mundial, disse na conferência que ela iria usar a instrução para pressionar por financiamento para produzir e distribuir mais recursos que suportem a criação. A resolução pede “uma abordagem coordenada para o contínuo desenvolvimento, em todos os principais idiomas, de recursos de mídia de alta qualidade sobre o relato bíblico das origens e das ciências naturais e da Terra”.

Falando em uma entrevista, Beardsley-Hardy disse que os participantes da conferência têm feito muitos pedidos de materiais e criação de temas. [...] “Eles querem livros didáticos, querem PowerPoints, querem ser capazes de fazer download de algumas das apresentações feitas aqui, para que possam estudá-las por si mesmos e traduzi-las em várias línguas.”

Beardsley-Hardy disse que alguns materiais podem ser encontrados no site da conferência (fscsda.org), e mais será divulgado nas próximas semanas e meses.

Mas, como em qualquer grande conferência, algumas apresentações podem não estar disponíveis por algum tempo, porque seus autores estão preparando a pesquisa para publicação nas principais revistas científicas, disse Beardsley-Hardy, que ajudou a organizar a conferência e é membro do Conselho de Fé e Ciência.

“Algumas das apresentações feitas aqui são pesquisas de ponta, e os apresentadores não podem ter essas apresentações mostradas em outro lugares até que elas sejam publicadas na literatura peer-reviewed”, disse ele.[...]

(AdventistReview) 
Créditos de tradução para o português Blog CRIACIONISMO

domingo, 24 de agosto de 2014

QUAL A DIFERENÇA ENTRE O PROFETA E O ADIVINHO?

O termo “profeta” significa “Boca de Deus”. O mesmo aparece cerca de 460 vezes nas Escrituras (Levando-se em conta também a palavra ‘profetas’).

O profeta prediz os acontecimentos futuros segundo a vontade de Deus, ou seja, é Deus quem revela suas predições e não o profeta quem adivinha por si próprio; não há nada de magia.

Sempre que Deus revela uma profecia ao profeta é para orientar Seu povo e instrui-lo.

Jesus advertiu que além dos verdadeiros profetas, há os “falsos profetas”, dos quais temos de nos precaver (ver Mateus 7:15; 24:11 e 24; Marcos 13:22; Lucas 6:26; etc).

Adivinho.

Fala por si próprio ou por rituais de magia, feitiçaria entre outros que não procedem de Deus.

Entre estes destacam–se os astrólogos, cartomantes, etc.

A Bíblia condena veementemente qualquer tipo de adivinhação por esta proceder do diabo (cf. Levíticos 19:31; 20:6 e 37; Deuteronômio 18:10-14; 2 Reis 21:6; Ezequiel 13:18; Malaquias 3:5, etc).

Por Valdecir Júnior.

(Na Sala do Pastor)

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

80 CRISTÃOS MORREM POR SE RECUSAREM SE CONVERTER AO ISLÃ

Pelo menos 80 homens foram mortos pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI), no norte do Iraque, depois de se recusarem a converter-se ao Islã. Depois do relato do massacre de civis, os EUA bombardearam a região. Um oficial curdo disse à BBC que os homens foram mortos em dois grupos, depois da passagem de uma coluna de veículos do EI, na aldeia de Kawju, perto da cidade de Sinyar. Segundo relatos no local, às vítimas, da minoria yazidi, era dito: “Converta-se ao Islã ou morra.” Segundo relata a EFE, os jihadistas conduziram os 80 yazidis à casa do xeque tribal Ahmed Yasua, naquela aldeia, a 90 quilômetros de Mossul e, quando estes de recusaram a converter-se ao Islã, como exigiam os radicais, foram executados. É a segunda matança levada a cabo pelos militantes do EI depois de há uma semana terem executado 77 pessoas, entre as quais 33 mulheres e uma criança.

Desta vez, as crianças e as mulheres foram “poupadas” e levadas para lugar desconhecido. São cerca de 500 pessoas, segundo relatou um jornalista local à EFE.

Os EUA acabaram depois por enviar um drone (dispositivo telecomandado) que destruiu dois veículos da coluna do Estado Islâmico. Os caças-bombardeiros norte-americanos lançaram um dos maiores ataques até o momento contra posições dos jihadistas do Estado Islâmico na zona da cidade iraquiana de Mossul, informou a televisão curda Rudaw.

(Diário de Notícias)

domingo, 17 de agosto de 2014

COM BASE EM (Mt 16:18), PEDRO É A PEDRA CUJO QUAL, A IGREJA FOI EDIFICADA?

"Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mt. 16:18)

Com base neste texto, alguns Cristãos afirmam que a Igreja Cristã foi edificada sobre o Apóstolo Pedro. Mas será realmente isto que Jesus queria dizer?

Para uma análise melhor, primeiro temos que saber quem foi Pedro.
“O nome original de Pedro derivou do hebraico Simeão, resultando Simão, no grego (Atos. 15: 14; II Pedro 1: 1)... nasceu em Betsaida (João 1:44), situada às margens do lago da Galiléia. Durante o ministério de Jesus, Pedro morava em Cafarnaum (Mar. 1: 21, 29).” – Lição da Escola Sabatina, nº 10, ano 96, pág. 3.
Pedro, em grego, quer dizer (petros), isto é: pedacinho de pedra. Era o sobrenome de Simão, filho de Jonas, irmão de André. Pescador profissional da Galiléia (Mat. 4: 18). Obstinação e covardia se mesclavam momentaneamente em seu caráter. Era impulsivo e sempre a primeira pessoa a falar. Foi o único que pediu a Cristo para andar sobre as águas. (Mat. 14. 28). Foi uma das colunas basilares da Igreja Apostólica. Figurava em primeiro lugar na relação feita pelos evangelistas (Mat. 10: 2-4. Mar. 3: 16-19. Luc. 6: 13-16). Mas o cantar do galo despertou sua fé e fez com que ele adotasse uma atitude nobre e exemplar de um verdadeiro cristão, atitude esta que o levou a morrer crusxificado por amor ao próprio cristo que ele mesmo anteriormente havia negado 3 vezes. Mas esta é uma outra história, vamos nos deter por enquanto somente no assunto de (Mt. 16:18).

Jesus ao em (Mt. 16:18) Utiliza de duas palavras diferentes a se referir a pedra. No grego a palavra Pedro (petros) quer dizer pedra, e (petra) quer dizer rocha. Infelizmente alguns tradutores traduziram as duas palavras petros e petra por pedra, e isto causou uma confusão fazendo com que alguns cristãos usasse este texto como base confiável para afirmar que Jesus edificou a igreja sobre Pedro. Quando o correto seria: "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta ROCHA edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela"

  Esclarecido o erro de tradução, quem era a ROCHA que Jesus estava se referindo? O que os apóstolos entenderam quando Jesus mencionou que a igreja cristã seria edificada sobre a ROCHA?
A única Bíblia usada pelos Apóstolos e por Jesus na época era o Antigo Testamento, pois o Novo Testamento ainda não havia sido escrito. Com Base no Antigo Testamento, podemos afirmar sem sombra de dúvidas que a ROCHA era o próprio DEUS. Veja.

"Porque te esqueceste do Deus da tua salvação, e não te lembraste da rocha da tua fortaleza, portanto farás plantações formosas, e assentarás nelas sarmentos estranhos."(Is. 17:10)

" A TI clamarei, ó SENHOR, Rocha minha; não emudeças para comigo; não aconteça, calando-te tu para comigo, que eu fique semelhante aos que descem ao abismo."(Sl. 28:1)

"Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve.
Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; assim, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me."(Sl. 31:2-3)

"Direi a Deus, minha rocha: Por que te esqueceste de mim? Por que ando lamentando por causa da opressão do inimigo?" (Sl. 42:9)

"Só Ele é a minha rocha e a minha salvação; é a minha defesa; não serei grandemente abalado."(Sl. 62:2)

Levando em consideração que Deus é a rocha e Jesus é o próprio Deus, (isto você pode conferir em João 1:1-2-3 e 14 e para um estudo mais completo sobre o assunto, pode conferir também aqui) Jesus ao afirmar que a igreja seria edificada sobre a rocha, estava dizendo que ela seria edificada sobre Ele mesmo. Jesus é a pedra fundamental, não Pedro, pois não foi assim que os apóstolos entenderam, muito menos Pedro e a Bíblia explica isto muito bem, basta uma rápida análise nos textos que podemos ver nitidamente que a igreja cristã não foi edificada sobre Pedro, mas sim sobre Jesus. Acompanhe os textos abaixo.

"A pedra que os edificadores rejeitaram tornou-se a cabeça da esquina." (Sl. 118:22)

A pedra angular determinava o esquema e o formato do edifício. Por ocasião da construção do Templo de Salomão, onde foram empregadas 183.300 pessoas durante 46 anos (João 2:20), trouxeram uma pedra enorme para ser empregada na fundação do prédio. Os construtores não acharam lugar para ela e não queriam usá-la. Exposta ao Sol, chuva, ar e tempestade, não apresentou sequer uma fenda. Os construtores submeteram-na à forte prova de pressão; como resistiu decidiram utili-za-la. Colocaram-na no lugar que lhe era designado e viram que se ajustava tão perfeitamente como uma luva. Posteriormente Deus revelou em visão a Isaías que esta Rocha era um símbolo de Cristo. A Escritura confirma:

"Portanto assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, uma pedra já provada, pedra preciosa de esquina, que está bem firme e fundada; aquele que crer não se apresse." (Is. 28: 16)

"Então ele vos será por santuário; mas servirá de pedra de tropeço, e rocha de escândalo, às duas casas de Israel; por armadilha e laço aos moradores de Jerusalém." (Is. 8:14)

"Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra, que os edificadores rejeitaram, Essa foi posta por cabeça do ângulo; Pelo Senhor foi feito isto, E é maravilhoso aos nossos olhos?" (Mt. 21:42)

"Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina." (At. 4:11)

"Como está escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo; E todo aquele que crer nela não será confundido." (Rm. 9:33)
(Os judeus achavam um escândalo o Messias morrer na cruz, já que O esperavam para sentar-Se no trono de Davi e dominar o mundo).

"Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;" (Ef. 2:20)

(Ef. 1:22)
"E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja
" Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo." (Ef. 5:23)
(Jesus é o cabeça da Igreja, não Pedro. Não existe qualquer outro ser humano que pode ser considerado cabeça da igreja, somente Cristo merece este título.)

O próprio Pedro confirma que a pedra é Cristo.
"E, chegando-vos para Ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa," (1 Ped. 2:4)

"E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, A pedra que os edificadores reprovaram, Essa foi a principal da esquina, E uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados." (1 ped. 2:7-8)

O Apóstolo afirma categoricamente que Cristo é a pedra cujo qual, a igreja foi fundamentada e edificada.
"Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo."(1Cor. 3:11)

O próprio Cristo se indentificou como sendo a pedra.
"Portanto, eu vos digo que o reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos.
E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó." (Mt. 21:43-44)


Concluímos, portanto, que a igreja apostólica entendeu de modo unânime que o próprio Jesus Cristo é a pedra fundamental sobre a qual a igreja está edificada, e todos os profetas e apóstolos, icluíndo Pedro, são a primeira camada de pedras vivas no edifício espiritual da igreja.
"Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina" (Ef. 2:20)

Esclarecido quem é a pedra, você deve está se perguntando: O que seria então as chaves mencionadas no verso seguinte em (Mt. 16:19)?

Se as chaves são usadas para abrir e fechar, a figura indica que as chaves do Reino dos Céus, servem para abrir e fechar o Reino dos Céus.
“O abrir e fechar é expresso no texto por ligar e desligar ou desatar.
“As chaves, que abrem e fecham a casa de Deus, ligam os homens à igreja, ou dela desligam, são os princípios do evangelho, as condições da salvação, aceitas ou rejeitadas pelos homens. Pedro abriu, com a chave da Palavra de Deus, as portas do Reino dos Céus a três mil pessoas que se converteram (Atos 2: 14-47). Este privilégio não foi apenas concedido a Pedro, mas a todos os discípulos. São Mateus 18: 18.” – Estudos de Passagens com Problemas de Interpretação, págs. 150-151, grifos meus.
Se você faz parte da Comissão de sua igreja, então está inserido neste contexto. Também você, em assembléia, após a leitura da ATA, ao dar o seu voto para receber um batizando ou excluir um membro da igreja, está exercendo esta orientação de Jesus.

(Com Informações do Pastor Lourenço Gonzales e seu livro Assim Diz O Senhor, e lição da Escola Sabatina)

NOTA: Sobre o livro Assim Diz O senhor.
 MUITO RECOMENDADO!
Mais de 100 temas doutrinários.
Quer saber tudo sobre dons espirituais?
Batismo do Espírito Santo? 
Línguas celestiais, dos anjos e estranhas?
A mortalidade da alma? 
Sábado ou domingo?
Rico e Lázaro? 
Tudo sobre Gálatas?
Que é a morte? 
E muito mais, numa linguagem simples, coloquial e clara.
Deste livro o Pr. Bullón disse: 
"Um livro polêmico que chega à sua 8º edição sem ter na retaguarda poderosa maquinaria publicitária e empresarial, tem que ser bom.?
Ele é o Manual do Obreiro Voluntário, porém, usado largamente pelos Ministros de Deus. Tem se tornado um emérito ganhador de almas.

Veja mais em Dicas de leitura








sábado, 16 de agosto de 2014

EXISTEM OUTROS PLANETAS HABITADOS?


É inerente ao ser humano querer desvendar algo desconhecido, explorar o sobrenatural e até mesmo correr riscos. Um assunto que chama a atenção do homem no campo do desconhecido é: existe vida fora do planeta terra? A galáxia de Andrômeda foi descoberta em 1923 pelo astrônomo Edwin Hubble e esta foi a primeira comprovação de que existia outras galáxias além da via láctea. Desde então, muitas notícias já foram produzidas sugerindo que em planetas identificados existem possibilidades de vida.

Respondo a pergunta de hoje. Apesar de as pesquisas falarem de planetas "habitáveis", ainda não se tem notícia comprovada de planetas  habitados. No entanto, a Bíblia dá, nas entrelinhas, pistas de existência de vida em outros planetas. Por exemplo, no livro de (Jó 2:1). "Num dia em que os filhos de Deus, vierem se apresentar perante o Senhor, veio também Satanás entre eles apresentar-se perante o Senhor".

Este texto dá a entender que representantes de outros mundos foram apresentar-se diante do Senhor e Satanás foi, achando-se representante desse mundo pecaminoso. A Bíblia não faria menção dessa reunião se fosse apenas os "anjos do Céu" que estariam comparecendo diante de Deus e Satanás em sua ousadia se passando por um.
Outros exemplos estão em (Hebreus 11:3) e (Jó 38:7). "Pela fé entendemos que os mundos pela palavra de Deus foram criados, de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente". "Quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus jubilavam?"
Os textos dão dicas quando falam em mundos criados e sobre o lançamento das bases para este planeta. Olivro de Hebreus usa a palavra mundos, no plural e Jó diz que as estrelas, linguagem bíblica figurada para anjos, e "filhos de Deus", criaturas de Deus, alegremente cantavam, mas não diz respeito a raça humana ou ao planeta Terra, que ainda não havia sido criado.

Através das revelações divinas concedidas a Ellen G. White, Deus garante que há vida em outros palnetas. Acompanhe algumas claras citações: "Ogoverno de Deus incluía não apenas os habitantes do céu, como ainda todos os mundos criados. Satanás pensou que, se fosse capaz de arrastar consigo à rebelião as inteligências celestiais, também, também dominaria outros mundos". (Review and Herald, 9 de março de 1886. A Verdade Sobre os Anjos, p. 36)

"O Universo inteiro foi testemunha das cenas do Sinai. Nos efeitos das duas administrações viu-se o contraste entre o governo de Deus e o de Satanás. De novo os habitantes destituídos de pecado, de outros mundos, viram os resultados da apostasia de Satanás, e a espécie de governo que ele teria estabelecido no céu, caso lhe houvesse sido permitido exercer o domínio". (Patriarcas e Profetas, p. 335 e 336).

O interessante em algumas citações de Ellen White reside no fato de em visão ela ter visitado um desses planetas. A descrição a seguir esclarece a realidade de que em outros planetas, a realidade é bem parecida com a daqui, porém sem a presença do pecado. As ideias de que os habitantes de outros planetas têm aparência diferente: como um olho no meio do rosto, orelhas imensas e antena em cima da cabeça caem por terra.

O Senhor me proporcionou uma vista de outros mundos. Foram-me dadas asas, e um anjo me acompanhou da cidade a um lugar fulgurante e glorioso. A relva em dum verde vivo, e os pássaros gorgeavam ali cânticos suaves. Os habitantes do lugar eram de todas as estaturas, nobres, majestosos e formosos. Ostentavam a expressa imagem de Jesus, e seu semblante irradiava santa alegria, que era uma expressão da liberdade e felicidade do lugar. Perguntei a um deles porque eram muito mais formosos que os da Terra - A resposta foi: "vivemos em estrita obediência aos mandamentos de Deus, e não caímos em desobediência, como os habitantes da terra". Vi então duas árvores. Uma se assemelhava muito a árvore da vida, existente na cidade. O fruto de ambas tinha belo aspecto, mas o de uma delas não era permitido comer. Tinham a faculdade de comer de ambas, ma era-lhes vedado comer de uma. Então meu anjo assistente me disse: "Ninguém aqui provou da árvore proibida, se, porém, comessem, cairiam". (Maranata! - Meditação Matinal / Português p.366)

Deus não vai permitir o contato da raça caída com seres não contaminados pelo pecado. Esses planetas se tornam invisíveis aos olhos curiosos de pesquisadores humanos. O homem pode até enxergar o espaço físico, mas não consegue enxergar os seres espirituais sem pecado, assim como eram Adão e Eva antes do pecado revestidos da glória do Senhor, (Gên 3:7).

Portanto, à Luz da palavra de Deus e da inspiração divina, fica fácil saber que existe sim, vida fora [do palneta Terra]. Vidas instituídas pelo Deus Criador do Universo. São crituras semelhantes a Jesus não sendo disformes, com ausência ou acréscimos de órgãos no corpo. Não há tipos de visitas em naves espaciais ou de qualquer outra forma, porque a pureza e a posição elevada dos outros seres amistosos por possuírem a natureza do Deus de amor.

"As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos..." (Deuteronômio 29:29)


FONTE: (Pastor Josias Ferreiada Fonseca - Ex- Líder do Ministério Pessoal e atual Líder da Associação Norte Paranaense / Via Revista ANP, Janeiro de 2012 p.19)

Leia mais sobre este assunto aqui

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

CANTORA GOSPEL ASSUME SER HOMOSSEXUAL

São Paulo (AE) – Ela é uma cantora de rock gospel cristão, que passa dias e dias na convivência de lideranças protestantes e cujas músicas são entoadas por milhões de pessoas no chamado Bible Belt (região sul dos Estados Unidos dominada pela religião evangélica), além de ser comentarista de religião do canal BBC News – e agora assumiu publicamente a sua orientação homossexual.

Fonte: Reprodução/vickybeeching
Em uma entrevista publicada nesta quinta-feira, 14, pelo jornal britânico The Independent, Vicky Beeching disse ser lésbica. De acordo com o jornal, ela pode se tornar uma figura chave na liberalização do anglicanismo – e também deve ser amplamente criticada pela sociedade em que está inserida.

“Os livros, desde criança, mostravam a destruição de Sodoma e Gomorra por causa da ‘abominação’ homossexual, e então perceber que eu era atraída por garotas foi um sentimento horrível, eu fiquei tão constrangida”, diz ao The Independent.

Desde a infância, ela cresceu em um ambiente religioso – fato que sempre causou sentimentos confusos -, e aos 16 começou a aparecer com a música. Pela pressão exercida ao seu redor, dedicou a maior parte da adolescência aos estudos, que a levaram a Oxford.

Aos 23 anos, Vicky se mudou para Nashville, onde viveu, “no coração da América conservadora”, por seis anos, vivendo a partir das suas músicas de adoração. Aos 29, se mudou para a Califórnia no mesmo ano em que descobriu que carregava uma doença auto-imune grave, que causava lesões na pele e poderia a levar a morte. Ao começar um tratamento severo, decidiu se acertar com a própria sexualidade quando fizesse 35 anos. “Essa é a metade da minha vida: não posso perder a outra”, disse.

Em abril deste ano, ela assumiu a orientação aos seus pais. “O que Jesus ensinou é uma mensagem radical de boas vindas, inclusão e amor. Eu tenho certeza de que Deus me ama do jeito que sou, e eu tenho um grande senso para comunicar isso aos jovens”, disse a cantora.

“É de partir o coração”, ela diz, quando questionada pelo jornal sobre o porquê de não abandonar a fé que a considera má. “Os ensinamentos feitos pela igreja foram a razão pela qual eu vivi com tanta vergonha, isolamento e dor durante todos esses anos. Mas mais do que abandoná-la e dizer que ela está quebrada, eu quero ser parte da mudança”, concluiu.

(emResumo)

NOTA: A cantora falou a verdade ao firmar que Deus a ama do jeito que ela é. Realmente Deus ama todos os seres humanos, Deus ama todos os pecadores sem exceção, ama todos. Mas não é porque Deus ama o pecador que ele vai amar o pecado, Deus ama o pecador mas odeia o pecado, da mesma sorte que Deus ama com todas as suas forças os homossexuais, mas odeia os atos paraticados por eles. Odiar as atitudes de uma pessoa não significa que se odeia a pessoa, existe uma diferença muito grande aí em que muita gente faz confusão ou distorce para poder criar um pretexto. [WO]         

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA DESAFIA TEORIA DA EVOLUÇÃO

Neste mês foram feitas duas descobertas arqueológicas que desafiam muito do que defende a teoria da Evolução. O cientista cristão Mark Armitage foi demitido da Universidade Estadual da Califórnia (UEC), em Northridge (Estados Unidos), por questionar a idade dos dinossauros. Durante uma escavação no Estado de Montana, foi encontrado um chifre de Tricerátopo. Ao analisar o achado com um microscópio, ele encontrou tecidos moles na amostra. A teoria de Armitage, que é criacionista, sempre foi que os dinossauros possuem milhares de anos e não 60 milhões de anos, como os darwinistas acreditam. A descoberta de tecidos moles em um dinossauro deixou espantados os membros do departamento de biologia da universidade e os estudantes. Afinal, a presença desses tecidos leva a crer que os dinossauros viviam no planeta há relativamente pouco tempo. Contrariada, a UEC decidiu demiti-lo e o caso ganhou mais repercussão pelo que aconteceu com o pesquisador do que pelo achado em si.

Poucos dias depois, arqueólogos que trabalham na Noruega encontraram um esqueleto humano de 8.000 anos que pode ter partes do cérebro fossilizadas. O autor da descoberta, Gaute Reitan, afirmou que “ainda é cedo” e que “precisa de ajuda nesse estudo”.

Caso seja confirmado, o achado será um desafio significativo para os que negam a veracidade do dilúvio bíblico. A equipe de cientistas ligados à Universidade de Oslo passou dois meses cavando em uma área de fiorde perto da capital. Conforme relatado pela Norwegian Broadcasting, eles desenterraram vários fósseis, incluindo restos de ossos antigos e outros materiais biológicos.

A surpresa maior veio quando eles notaram a presença de tecidos moles dentro de um crânio pequeno, que pode ser de uma criança. Outros esqueletos de adultos foram desenterrados no mesmo local. Reitan explica que os métodos de datação indicam que as amostras retiradas nas primeiras escavações, incluindo os restos de cérebro, têm cerca de 8.000 anos de idade. São, portanto, a descoberta mais antiga de esqueletos na Escandinávia e pode ensinar muito sobre como viviam os habitantes da região nesse período.

Brian Thomas, cientista do Instituto de Pesquisas da Criação (ICR), diz que somente o método de datação segundo a cronologia bíblica permitiria que isso acontecesse. “A narrativa bíblica sobre o que ocorreu após o dilúvio fornece as condições únicas necessárias para mineralizar órgãos macios antes que os tecidos se desintegrem totalmente.”

Thomas afirma ainda que o achado dos noruegueses é semelhante a uma descoberta de 2010, quando remanescentes cerebrais foram encontradas no fóssil de um macaco africano que teria supostamente 1.900.000 anos de idade. Essas descobertas, argumenta Thomas, não concordam com o calendário evolutivo.

“Segundo o quadro bíblico”, escreveu Thomas, “os fósseis encontrados tanto neste sítio arqueológico norueguês quanto no africano foram enterrados depois do dilúvio. Eles teriam, portanto, menos de 4.500 anos de idade”.

Com informações de Christian News e Live Science.

(Criacionismo) via (Gospel Prime)

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

A ÚLTIMA CRISE DA TERRA. O QUE OS ADVENTISTAS DEVEM FAZER?


Ampla Apreensão Pelo Futuro 
"As calamidades em terra e mar, as condições sociais agitadas, os rumores de guerra, são portentosos. Prenunciam a proximidade de acontecimentos da maior importância. As forças do mal estão-se arregimentando e consolidando-se. Elas se estão robustecendo para a última grande crise. Grandes mudanças estão prestes a operar-se no mundo, e os acontecimentos finais serão rápidos." Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 280. 

Tempos Turbulentos que Ocorrerão em Breve 
"O tempo de angústia - angústia qual nunca houve, desde que houve nação (Dn 12:1) - está precisamente sobre nós, e somos semelhantes às virgens adormecidas. Devemos acordar e pedir que o Senhor Jesus ponha debaixo de nós os Seus braços eternos e nos conduza durante o tempo de provação à nossa frente." Manuscript Releases, vol. 3, pág. 305. 

Deus Tem Sempre Advertido de Juízos Vindouros 
"Deus sempre tem dado aos homens advertência dos juízos por vir. Aqueles que tiveram fé na mensagem por Ele enviada para seu tempo, e agiram segundo sua fé, em obediência aos Seus mandamentos, escaparam aos juízos que caíram sobre os desobedientes e incrédulos. A Noé veio a palavra: "Entra tu e toda a tua casa na arca, porque te hei visto justo diante de Mim." Gn 7:1. Noé obedeceu, e foi salvo. A Ló foi enviada a mensagem: "Levantai-vos, saí deste lugar, porque o Senhor há de destruir a cidade." Gn 19:14. Ló colocou-se sob a guarda dos mensageiros celestes, e foi salvo. Assim os discípulos de Cristo tiveram aviso da destruição de Jerusalém. Os que estavam alerta quanto ao sinal da próxima ruína, e fugiram da cidade, escaparam à destruição. Assim agora estamos dando aviso da segunda vinda de Cristo e da destruição impendente sobre o mundo. Os que ouvirem a advertência, serão salvos." O Desejado de Todas as Nações, pág. 634. 

Atenção às Profecias Referentes aos Últimos Dias 
"Devemos estudar os grandes sinais que indicam os tempos em que estamos vivendo. Precisamos ver na História o cumprimento da profecia, estudar as atuações da Providência nos grandes movimentos reformatórios e compreender a progressão dos acontecimentos na arregimentação das nações para o conflito final da grande controvérsia." Testimonies, vol. 8, pág. 307. 

Estudar Especialmente os Livros de Daniel e do Apocalipse 
"Há necessidade de mais íntimo estudo da Palavra de Deus; especialmente devem Daniel e Apocalipse merecer a atenção como nunca dantes na história de nossa obra. A luz que Daniel recebeu de Deus foi dada especialmente para estes últimos dias. As predições do livro do Apocalipse que ainda não se cumpriram logo se cumprirão. Esta profecia deve ser agora estudada com diligência pelo povo de Deus e compreendida claramente." Testemunhos Para Ministros, págs. 112 e 113.. 

O Assunto Deve Ser Mantido Perante o Povo 
"Deus estabeleceu, porém, um dia para o término da história deste mundo: "Será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então virá o fim." A profecia se cumpre rapidamente. Mas, muito mais deve ser dito acerca destes assuntos tremendamente importantes. Perto está o dia em que será decidido para sempre o destino de toda alma. Deve-se fazer um grande esforço para manter este assunto perante o povo. O solene fato de que o dia do Senhor virá repentina e inesperadamente deve ser mantido não só perante as pessoas do mundo, mas também diante de nossas próprias igrejas. A terrível advertência da profecia é dirigida a toda alma. Ninguém julgue estar isento do perigo de ser apanhado de surpresa. Não permitais que a interpretação profética de pessoa alguma arrebate a convicção do conhecimento de ocorrências que revelam que este grande acontecimento está bem próximo." Fundamentos da Educação Cristã, págs. 335 e 336. 

Mantendo os Eventos Futuros na Perspectiva Correta
"Não somos agora capazes de descrever acuradamente as cenas a serem representadas em nosso mundo no futuro; isto, porém, sabemos: que este é um tempo em que precisamos velar em oração; pois o grande dia do Senhor está às portas... Muitos desviarão o olhar dos deveres atuais, do conforto e das bênçãos no presente, e tomarão emprestado aflições com respeito à crise futura. Isso causará um tempo de angústia antecipado, e não receberemos graça para tais aflições antecipadas." Mensagens Escolhidas, vol. 3, págs. 383 e 384. 

(MegaPhone ADV)

domingo, 3 de agosto de 2014

O EVANGELHO NO SANTUÁRIO


Para entender a doutrina do santuário, é preciso entender como os ritos e os ministérios no santuário terrestre funcionavam. A função crucial do santuário era para ser a habitação de Deus (Êxodo 25:8). Por isso, Ele é arbitrário quanto à arquitetura de Sua própria casa. A construção do santuário contou com um modelo específico (pátio, lugares santo e santíssimo, móveis, coberturas) que comunicava a Israel, de formas não verbais, conceitos de Sua divindade. Por exemplo, o princípio da gradação da santidade expresso pelo valor de cada cortina do mais caro no exterior e do mais barato mais interior, mais próximo dEle; dos móveis mais baratos mais longe do santíssimo e dos mais caros mais perto do santíssimo; exaltando assim a santidade do Senhor. O que nos ensina sobre hoje preservamos o senso da santidade de Deus. Ou seja, ao dar instruções para a edificação do santuário terrestre, o Grande Mestre estabeleceu princípios que deviam ser um auxílio espiritual para Israel durante toda a sua experiência futura, afirmou E. G. White, em Exaltai-O, MM, 1992, p. 174.

Se comparados com os cultos pagãos, os ritos que Deus deu para Israel eram extremamente complexos. Por exemplo, nos templos pagãos (divididos também em lugares santo e santíssimo) tinha sempre a estátua do deus. No santuário Israelita, no lugar que era para ter tal escultura, tinha a lei de Deus, representação de Seu próprio caráter e presença. O que se aplica para todos os tempos e épocas, em que o povo de Deus respeita Sua lei, e os demais povos não veem os significados espirituais da observação à lei.

No pátio, o altar de holocausto é o lugar do ofertante, do sacrifício e da substituição. A profunda compreensão disso leva ao maior senso para o quanto o pecado ofende profundamente a Deus.  Na pia, os sacerdotes deveriam lavar as mãos e os pés simbolizando que Deus exige pureza dos que ministram em Seu santuário.

No lugar santo, o candelabro, ao iluminar o santuário revelava a Cristo como a luz do mundo, a própria presença de Deus. A mesa com os pães da presença ensinava sobre alimento, provisão e sustento providos pelo supremo Deus para as necessidades do Seu povo, apontando para Cristo como o “Pão da Vida”, o provedor espiritual para os crentes. Ou seja, nada vinha de outros deuses. E no altar de incenso, a queima araônica constante apontava para a contínua intercessão de Cristo no santuário celestial.

No santíssimo a arca e o propiciatório ensinavam sobre o trono, a lei, a justiça e a graça de Deus. A presença de Deus naquela luz reivindicava que tudo estivesse certo, tanto quanto aos ritos, quanto às pessoas.

As vestes dos sacerdotes eram compostas de cinco peças que nos ensinam lições espirituais. O aspecto mais curioso é que eram tecidas e decoradas com os mesmos materiais da cortina interior do templo. Sacerdote e santuário estavam puramente conectados. E no sacerdócio, aprendemos mediação, substituição e intercessão, no que ele apontava para a obra de Cristo.

O entendimento sobre os ritos e os sacrifícios que aconteciam no santuário, nos ajuda a entendermos realidades práticas da nossa vida cristã hoje.

Os ritos revelam os valores mais profundos de uma sociedade (batismo, casamento, santa ceia, festa de debutantes, etc.), auto explicando-se não verbalmente. A interpretação dos ritos sacrificais do santuário aponta para a oposição entre a vida e a morte como sendo fundamental para todo o sistema ritual israelita. Deus é a fonte da vida. Portanto, tudo o que é oferecido a Deus deve ser fisicamente imaculado. Sobre as críticas quanto aos ritos serem arcaicos ou preconceituosos, é preciso observar os princípios da oposição entre a vida e a morte, uma vez que os israelitas estavam contagiados pela cultura egípcia que era fascinadíssima com a morte. E Deus precisava banir tais pressupostos da mente daquele povo.

Mas se Deus procurava banir a morte, porque exigia sacrifício? Aqui entra a explicação da graça substitutiva. O Senhor odeia extremamente a morte, mas ama tanto o pecador, que, para protegê-lo desta maldição, a atrai para Si mesmo. No sacrifício o adorador se identificava com o animal oferecido. Com aquele gesto, Deus estava ensinando o custo e a enormidade do pecado. A mesma mensagem era comunicada frequentemente de várias maneiras. Não é preciso encontrar um significado específico para cada oferta, sacrifício, detalhe, etc., porque muitas vezes era ali usado o princípio pedagógico da repetição para o aprendizado. É por isso que frase “para fazer expiação” aparece em conexão com a maioria dos sacrifícios.

Nas culturas dos povos pagãos a gordura era considerada a parte mais saborosa, seleta e simbolizadora da fartura da mesa dos reis. A melhor parte. Por isso, a gordura do sacrifício era “de Deus”. Ele era o rei dono de tudo. Logo, o sacerdote não comer a gordura era pra simbolizar isso: o melhor sempre vai para Deus. Evitar colesterol e colocar combustível no fogo eram consequências, e não o princípio.

O pronto crucial que precisamos entender é sobre como funcionavam os dois ministérios do tabernáculo. Entendemos os serviços do ministério como algo bifásico: diário e anual. O serviço diário contaminava constantemente o santuário. Logo, havia necessidade de purificação, que era o serviço anual, como relatado em Levítico 16. Este sistema ilustrava de forma muito clara o sistema da salvação, da cruz até a consumação escatológica. Isso nos faz entender o ministério do santuário celestial em duas fases: a investigação e a terminação da obra (até 1844 e de 1844 em diante), distinguindo a compreensão soteriológica entre o tipo e o antítipo das obras nos santuários terrestre e celestial. Deus mostrava para Israel que embora Ele assumisse os pecados do povo, Ele não é o autor do pecado, por isso o pecado era transferido para o bode Azazel. Na visão escatológica também. Cristo assumiu os pecados temporariamente, porque por final o pecado deve ser transferido para a responsabilidade de quem o desencadeou.

E assim, o pecado estará banido para sempre. Estas são as boas novas, Esta é a nossa esperança!

(Pr. Valdeci Jr. / Na Sala do Pastor)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...