Palavra do dia

"Eis que DEUS é meu ajudador, o SENHOR é quem me sustenta a vida." (SALMO 54:4)


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

BANALIZAÇÃO DO SATANISMO E DO SADOMASOQUISMO

Duas notícias recentes me chamaram a atenção e guardam alguma semelhança entre si, embora os assuntos sejam bem diferentes (ou não seriam?). A primeira diz respeito à aprovação pela Fox do episódio piloto de “Lucifer”, série baseada na história em quadrinhos de Mike Carey sobre as aventuras do anjo caído Lucifer Morningstar. “Com isso, a atração já garantiu a encomenda de uma primeira temporada. Não foram divulgados, porém, a quantidade de episódios que a série terá. Tom Kapinos, o criador de ‘Californication’, assinou o piloto e também servirá como produtor executivo do projeto. O personagem apareceu primeiro nos quadrinhos de ‘Sandman’, de Neil Gaiman, em 1989, e só ganhou sua revista própria em 2000. A HQ da Vertigo, selo adulto da DC Comics, teve 75 edições publicadas até 2006. A série ‘Lucifer’ servirá como sequência das histórias em quadrinhos, mostrando o protagonista gerenciando um bar depois de ter desistido de comandar o inferno. ‘Lucifer’ será produzida pela Warner Bros. TV e se juntará a uma leva de adaptações de HQs da DC, que incluem as séries ‘Constantine’, ‘The Flash’, ‘Gotham’, ‘Supergirl’ e dos ‘Novos Titãs’”, informa o site Cinepop.

Quadrinhos satânicos não são exatamente novidade, como bem se lembram os leitores de “Spawn” e “Motoqueiro Fantasma” , para citar apenas dois. A novidade fica por conta dessa nova onda de adaptações de quadrinhos para o cinema e para a TV, o que está dando muito mais visibilidade para personagens antes apenas conhecidos pelos leitores do gênero HQ. Cada vez mais a figura do anjo caído rebelde vai sendo banalizada, havendo até quem “torça” por ele e se identifique com ele. Na série “Falen”, por exemplo, os leitores até torcem para que os anjos caídos recuperem seu lugar no Céu, de onde teriam sido “injustamente” expulsos!

A outra notícia diz respeito ao sucesso do momento: “Cinquenta Tons de Cinza”. Segundo o blog Page Not Found, “alunos de uma escola do ensino fundamental em Monessen (Pensilvânia, EUA) receberam em sala de aula um caça-palavras baseado em Cinquenta Tons de Cinza, sucesso editorial erótico de E. L. James que foi levado ao cinema. Entre as palavras a serem buscadas no mosaico de letras estavam ‘espancamento’, ‘submissa’, ‘algemas de couro’ e ‘bondage’ (técnica sadomasoquista de submissão usando cordas e outros apetrechos). James Carter, pai de um aluno da escola, fez reclamação formal à direção do estabelecimento de ensino durante reunião do conselho de alunos, de acordo com a agência AP. Autoridades disseram que não discutiriam a questão, mas um membro do conselho afirmou que o caça-palavras foi um ‘grande erro’.”



Apenas um pai se manifestou? O mais triste é saber que, no Brasil, adolescentes de 14, 15, 16 anos foram ao cinema assistir a essa produção cinematográfica (o próprio governo abaixou de 18 para 16 anos a classificação indicativa do filme). E por que foram assistir? Por causa do marketing que vendeu pornografia sadomasoquista como romance. Por causa da curiosidade despertada pela mídia aliada à indústria cinematográfica de olho nos milhões de dólares que serão arrecadados à custa de uma geração que passará a ver o sexo como técnica de tortura, prazer depravado e dominação.

Pensando bem, as duas notícias têm tudo a ver mesmo. O mesmo motivador está por trás dessas banalizações; dessa normalização do anormal e dessa inversão de valores.

(Michelson Borges via Criacionismo)

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

DOM PROFÉTICO. Com que autoridade? Dr. Renato Stencel reflete sobre o nível de autoridade dos escritos de Ellen White.

Ao aplicar filtros à revelação divina, muitos deixam de receber as bênçãos prometidas por Deus por meio da mensagem profética

Em algum momento alguém já questionou sua autoridade? Como você se sentiu? Sejamos honestos, não apreciamos ter nossa autoridade questionada, pois muitas vezes nos sentimos desprezados e até humilhados. Jesus teve Sua autoridade questionada em diversas ocasiões. A mais conhecida delas ocorreu por ocasião da segunda purificação do templo, já no final de Seu ministério. De acordo com Lucas 20:1 e 2, um grupo dos principais sacerdotes, escribas e anciãos lhe questionou: “Com que autoridade fazes essas coisas?”

Semelhantemente, podemos citar outros exemplos de profetas bíblicos que tiveram sua autoridade questionada, como Noé, Moisés, Elias, Isaías, Jeremias, Paulo, e tantos outros. O que podemos concluir é que geralmente a autoridade de um profeta é questionada por conta do teor de sua mensagem, que nem sempre agrada ao coração e ouvidos do povo de Deus.

Quando tomamos o exemplo do ofício profético de Ellen White, podemos compreender que ela sofreu muitos questionamentos quanto à validade e credibilidade de seus escritos. O tópico em pauta é: por que é importante destacar a questão da autoridade divina no dom profético?
Muitos hoje têm estabelecido alguns filtros para a revelação. Alguns têm afirmado: “essa parte da revelação é de Deus, mas essa não” ou “isso é inspirado, mas isso não é inspirado”. Tais filtros muitas vezes nos impedem de receber a plenitude das bênçãos que são prometidas por Deus por meio da mensagem profética. Vale destacar que, quando Deus envia um profeta, com a mensagem está: (1) a honra de Deus; (2) o caráter de Deus; (3) a expressão de Sua vontade e; (4) Sua suprema autoridade.

Quando nos reportamos ao ministério profético de Ellen White, nos deparamos com alguns questionamentos intrigantes. Alguns a consideram apenas uma boa conselheira espiritual – sua autoridade é respeitada apenas quando ela fala sobre aspectos como relacionamento familiar, vida devocional, etc. Mas quando o assunto envolve temas como doutrinas, teologia, ciência ou mesmo algum aspecto de estilo de vida, então sua autoridade é questionada.

Por outro lado, alguns chegam a duvidar do conteúdo de seus escritos afirmando: como ela escreveu sobre teologia se não foi uma teóloga? Como descreveu conceitos e princípios de saúde se não foi uma médica? Como proveu orientações tão precisas e valiosas sobre educação se não foi uma professora? Como deixou tantos conselhos sobre psicologia do comportamento humano sem ter tido um preparo nesta área? Como apresentou conselhos e diretrizes sobre o louvor, música e adoração sem jamais ter sido uma musicista? Em outras palavras, se a profetisa não possuía títulos, como então podemos dar crédito às suas palavras.

Vale destacar que ela mesma reconheceu seu ofício profético afirmando ser uma mensageira do Senhor, ou seja, apenas um instrumento para comunicar a vontade e o plano de salvação. Assim, ela não falou nada de si mesma, mas foi apenas uma ferramenta humana usada por Deus para revelar e comunicar Sua vontade a nós.

Ao vislumbrar o desfecho do tempo do fim, Deus mostrou a ela que seu ministério seria questionado e encontraria grande oposição. “O inimigo tentaria impedir que essa luz alcançasse o povo de Deus, em meio aos perigos dos últimos dias” (5T, 667). De fato, seu plano mestre seria enfraquecer a fé do povo de Deus nos escritos dela a ponto de anulá-los ou mesmo torná-los sem efeito.

Para muitos de nós, membros da igreja remanescente de Cristo, vale destacar que Deus não concedeu revelação posterior para desqualificar os ensinamentos das Escrituras ou mesmo torná-la uma segunda Bíblia. Pelo contrário, “se tivessem feito da Bíblia o objeto de seus estudos […] não necessitariam dos Testemunhos [escritos de Ellen White].” (5T, 664).

No entanto, é importante ressaltar que Deus concedeu o dom profético para Ellen White a fim de nos conduzir à Sua Palavra, mas “se você perder a confiança nos Testemunhos, cairá das verdades da Bíblia.” (5T, 674).

Ao discursar aos Seus discípulos, Jesus lhes disse: “Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos.” (João 8:31).

Renato Stencel é diretor do Centro de Pesquisas Ellen G. White no Unasp, campus Engenheiro Coelho.

(Revista Adventista)

domingo, 22 de fevereiro de 2015

LÍDER MULÇUMANO PEDE A DESTRUIÇÃO DE TODAS AS IGREJAS CRISTÃS

O sheik Abdul Aziz bin Abdullah, o grão-mufti da Arábia Saudita, maior líder religioso do país onde Maomé nasceu, declarou que é “necessário destruir todas as igrejas da região.”
Tal comentário do líder muçulmano foi uma resposta ao questionamento de uma delegação do Kuwait, onde um membro do parlamento recentemente também pediu que igrejas cristãs fossem “removidas” do país.
O grão-mufti salientou que o Kuwait era parte da Península Arábica, e por isso seria necessário destruir todas as igrejas cristãs de lá.
“Como acontece com muitos muftis antes dele, o sheik baseou sua fala na famosa tradição, ou hadith, que o profeta do Islã teria declarou em seu leito de morte: ‘Não pode haver duas religiões na Península [árabe]’. Isso que sempre foi interpretado que somente o Islã pode ser praticado na região”, explicou Raymond Ibrahim, especialista em questões islâmicas.
A importância dessa declaração não deve ser subestimada, enfatiza Ibrahim: “O sheik Abdul Aziz bin Abdullah não é um líder muçulmano qualquer que odeia as igrejas. Ele é o grão-mufti da nação que levou o Islã para o mundo. Além disso, ele é o presidente do Conselho Supremo dos Ulemás  [estudiosos islâmicos] e presidente do Comitê Permanente para a Investigação Científica e Emissão de Fatwas.  Quando se trata do que o Islã prega, suas palavras são imensamente importantes “.
No Oriente Médio, os cristãos já estão enfrentando perseguição maior, incluindo a morte, nos  últimos meses. Especialmente nos países onde as facções militares islâmicas têm aproveitado o vácuo de poder criado pelas revoluções da chamada “Primavera árabe”, como Egito, Líbia e Tunísia, Jordânia, Marrocos, Síria e Iêmen.
Os cristãos coptas, por exemplo, que vivem no Egito há milênios estão relatando níveis mais elevados de perseguição de muçulmanos. No Norte de África, os muçulmanos prometeram erradicar o cristianismo em alguns países, como a Nigéria. No Iraque, onde os cristãos tinham algumas vantagens durante o governo de forte Saddam Hussein, populações cristãs inteiras fugiram. O Irã também tem prendido crentes e fechado igrejas mais do que de costume.
Ibrahim escreveu ainda em sua coluna: “Considerando a histeria que aflige o Ocidente sempre que um indivíduo ofende o Islã, por exemplo, uma pastor desconhecido qualquer,  imagine o que aconteceria se um equivalente cristão do grão-mufti, digamos o papa, declarasse que todas as mesquitas da Itália devem ser destruídas, imaginem o frenesi da mídia ocidental. Imediatamente todos os veículos gritariam insistentemente  “intolerância” e “islamofobia”, exigiriam desculpas formais e apelariam para uma reação dos políticos”.
O estudioso acredita que uma onda de perseguição sem precedentes está prestes a ser iniciada na região, que ainda testemunha Israel e Irã viverem ameaçando constantemente fazerem ataques. O resultado disso pode ser um conflito de  proporções globais.

Fonte: (Gospel Prime)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

NOVA REVISÃO NA TEORIA DA EXTINÇÃO DOS DINOSSAUROS

Os cientistas há muito acreditam que o impacto de um asteroide no que é hoje o México varreu 80% das espécies da Terra – incluindo os dinossauros –, há 80 milhões de anos. Mas o que aconteceu exatamente quando houve essa colisão cataclísmica, e por que ela levou a uma extinção em massa? Essas perguntas são parte de um complicado quebra-cabeças. Pesquisas anteriores sugerem que o asteroide tenha provocado terremotos, ondas de choques, intenso calor e nuvens de pó sufocantes que bloquearam o Sol e causaram uma diminuição radical da temperatura. Em 2013, os cientistas levantaram a hipótese de que o asteroide também tenha causado uma tempestade de fogo global que seria parte da explicação da extinção. Agora, uma equipe de cientistas do Reino Unido apontou um buraco na teoria da tempestade de fogo.

Os cientistas usaram um aparato de propagação de fogo para criar pulsos de calor usando poderosas lâmpadas halógenas. Eles expuseram materiais vegetais a pulsos de diferentes intensidades e durações, simulando os efeitos de impactos próximos e distantes – e observaram se isso seria suficiente para provocar combustão. O que aconteceu? Pulsos curtos, mas muito intensos, que simulavam o calor perto do ponto de impacto, eram breves demais para fazer as plantas entrarem em combustão. Paradoxalmente, plantas que foram submetidas a pulsos menos intensos, mas mais longos, representando o calor que se propagou pela atmosfera por milhares de quilômetros, pegaram fogo.

“Isso mostrou que o calor tinha maior probabilidade de afetar ecossistemas muito distantes, de modo que florestas na Nova Zelândia tinham probabilidade maior de sofrer grandes incêndios do que florestas na América do Norte, mais perto do impacto”, disse ao HuffPost por email Claire Belcher, palestrante sênior em sistemas de ciência da Terra na Universidade de Exeter... (Continue lendo a matéria AQUI)




domingo, 15 de fevereiro de 2015

A FÓRMULA TRINITÁRIA. O Batismo Primitivo Era Feito em Nome da Trindade?

O batismo dos cristãos primitivos era feito em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo? O texto de Mateus 28:19, que menciona esse tipo de batismo, faz parte do original em grego? [...]



Essas são perguntas recorrentes. Vamos começar pela segunda. Em relação à fórmula batismal trinitariana de Mateus 28:19, a situação é a seguinte: (1) A fórmula está presente em todos os manuscritos gregos que contêm Mateus 28:19, pois nem todos os manuscritos sobreviveram de forma completa. Na verdade, alguns chegaram até nós em estado bastante fragmentário, mas todos os que contêm o versículo em questão registram a fórmula trinitariana, sem exceção, e isso acontece com vários manuscritos cujo texto remonta ao 2º século. (2) A fórmula também está presente em todas as antigas versões, cujo texto também data do 2º século. (3) Toda a literatura patrística anterior ao 4º século que cita Mateus 28:19 inclui a fórmula trinitariana. Exemplos: a Didaquê (c. 130-150), uma espécie de manual da igreja síria; Justino Mártir (c. 150); Clemente de Alexandria (150-215); e Cipriano (3º século). Levando-se em conta o registro textual, portanto, é praticamente impossível afirmar que a fórmula trinitariana de Mateus 28:19 não seja original.

E quanto ao batismo cristão primitivo, era ele feito em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo? De acordo com o livro de Atos, a resposta é não, pois todos os batismos ali mencionados são em nome de Jesus apenas (Atos 2:38; 8:16; 10:48; 19:5; 22:16; cf. 1 Coríntios 6:11). Como entender isso? Não é fácil, como não é fácil entender que, mesmo após a ressurreição de Jesus, os apóstolos ainda achavam que ele tivesse vindo para restaurar a independência política de Israel (Atos 1:6, 7), ou que eles, de alguma forma, ainda continuavam envolvidos nas atividades cerimoniais do templo (Atos 2:46; 3:1; 21:23, 24), ou que o próprio Paulo, ao final de sua terceira viagem missionária, ainda tivesse ido ao templo oferecer sacrifício (Atos 21:26).

Seja como for, isso significa que não devemos olhar para o livro de Atos como se fosse um manual de igreja, muito menos como um manual evangelístico, como muitos o fazem. O livro de Atos apenas descreve como foram os primeiros 30 anos da igreja apostólica, seus erros e acertos, e como Deus atuou por meio deles para a consolidação e expansão da igreja. O período histórico abrangido por Atos foi de transição, em que muitos temas e práticas ainda careciam de desenvolvimento ou de uma compreensão mais clara. Foi assim com a questão da volta de Jesus, a pregação aos gentios e a própria organização da igreja.

Já a fórmula batismal em Mateus 28:19 se apresenta como uma clara ordenança de Jesus, e, portanto, é ela que deve pautar as atividades da igreja hoje. No fim do 1º século, a igreja já batizava em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Evidência disso é a própria Didaquê acima citada, que faz referência clara ao batismo trinitariano. Embora sendo do início do 2º século, há suficientes razões para crermos que tal prática retrocede ao período apostólico, na segunda metade do 1º século.

Devemos nos lembrar de que a revelação, mesmo aos apóstolos, foi progressiva (João 16:12; cf. Hebreus 1:1, 2; 2 Coríntios 1:13), e de que esse princípio se aplica também à compreensão dela (cf. João 12:16; 14:29; Lucas 24:8). É por isso que nosso credo é a Bíblia em sua totalidade (tota scriptura), e não apenas o livro de Atos. E é no evangelho de João, por exemplo, que encontramos as revelações mais claras acerca da personalidade do Espírito Santo e sua atuação, juntamente com Cristo e o Pai, no plano da redenção (cf. João 14:16, 17, 26; 16:7-15), e esse evangelho foi um dos últimos livros do Novo Testamento a ser escrito, se não o último, já bem no fim do 1º século.

Seja como for, a crença na personalidade do Espírito Santo e a utilização da fórmula batismal trinitariana são bem anteriores ao Concílio de Niceia, no 4º século, que teria sido, segundo alegam alguns desinformados, quando tal crença foi introduzida na igreja cristã. Um melhor conhecimento da história da igreja e o uso de fontes e evidências documentais, como os manuscritos gregos, as antigas versões e as citações patrísticas, tornam quase impossível afirmar que a fórmula trinitariana de Mateus 28:19 constitua um acréscimo posterior. [Imagem: Wikimedia]

Wilson Paroschi, Doutor em Teologia, com especialização em Novo Testamento, é professor no Unasp, campus Engenheiro Coelho (SP)


sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

DESCOBERTA SOBRE O BIG BANG VIRA POEIRA CÓSMICA

Certamente todos se lembram da festa entre os cientistas no ano passado, quando veio à tona o anúncio da descoberta de evidências das ondas gravitacionais primordiais, flutuações que teriam sido causadas pela inflação cósmica, período do Universo no qual ele teria aumentado de tamanho de forma dramática em uma fração de segundos. A descoberta foi comemorada não só como uma evidência do Big Bang, mas como efeito previsto por uma das hipóteses sobre os primeiros momentos do nosso universo. Os cientistas usaram os dados do telescópio BICEP2 para medir a polarização da radiação cósmica de fundo, e esta estava de acordo com a previsão da teoria. Faltava apenas o veredito da equipe de cientistas do satélite Planck, que deveria confirmar a descoberta. Depois, era só esperar o Nobel.

O problema maior apontado na época era que o modelo da distribuição da poeira galáctica, usado para descontar o efeito dela sobre a radiação cósmica de fundo, poderia ser falho. A poeira interestelar também pode emitir luz polarizada, por isso os astrônomos do BICEP2 procuraram a região que parecia ter muito pouca luz polarizada vinda de poeira.

Entretanto, de lá para cá, a descoberta foi ficando cada vez mais em xeque. Novos estudos apontaram que a luz polarizada emitida por poeira interestelar poderia ser maior do que supunham os astrônomos do BICEP2. O golpe final veio em setembro, quando pesquisadores europeus usaram os dados do satélite Planck para mostrar que as leituras obtidas pelo BICEP2 provavelmente eram devidas à poeira interestelar. A confirmação veio na última semana.

O resultado atual (não existe resultado final em ciências) é que a evidência da inflação não era evidência. Não dá para descartar o modelo da inflação por conta disso, mas é preciso realizar mais trabalhos para encontrar as provas previstas por esse modelo. Agora, é voltar ao laboratório e procurar novas evidências.

(Hypescience) via (Criacionismo)

Comentário de Michelson Borjes, Mestre em Teologia e Jornalista:

"O site Inivação Tecnológica publicou isto: “A teoria da inflação cósmica, elaborada há cerca de 30 anos por Alan Guth e Andrei Linde, propõe que essa fase de crescimento exponencial do Universo nas frações de segundo após o Big Bang deixaria marcas na radiação cósmica de fundo, uma radiação de micro-ondas presente em todo o céu e que os cientistas acreditam ser um resquício do Big Bang. [...] O anúncio da ‘descoberta’, feito em março do ano passado, foi saudada [sic] por algumas revistas como a ‘descoberta do século’, mas imediatamente suscitou questionamentos de vários cientistas, que contestaram os dados do BICEP2 alegando justamente que a polarização detectada poderia ser devida à poeira presente na galáxia. E o ‘mico’ parece ter sido pago por uma prática pouco condizente com o rigor científico: em sua medição, os cientistas usaram um mapa da radiação cósmica de fundo sem nenhum detalhamento, retirado de uma apresentação feita em um congresso.”

Note que a própria famosa radiação de fundo é a base da crença dos cientistas de que teria havido um Big Bang. Com base numa hipótese, supõe-se que, se o Universo se expandiu a partir de um ponto, ele ainda estaria em expansão. Aí surgiu a segunda hipótese, fundamentada na primeira. Mas essa também não conta com evidências conclusivas. Infelizmente, muitas pessoas que leem sobre essas ideias ou assistem a documentários e programas de TV creem que elas são fatuais. Quantos saberão que a tal “descoberta do século” era falsa? Quem vai pedir desculpas pelo estardalhaço/sensacionalismo feito na mídia?

A conclusão da matéria acima é reveladora: “Não dá para descartar o modelo da inflação por conta disso, mas é preciso realizar mais trabalhos para encontrar as provas previstas por esse modelo. Agora, é voltar ao laboratório e procurar novas evidências.” Quando a hipótese interessa aos naturalistas, mesmo que careçam de evidências, eles trabalham em cima dela. Não a descartam e saem à busca de novas evidências. No entanto, quando o assunto é design inteligente e/ou criacionismo, eles nem se dão ao trabalho de analisar os argumentos."

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

ESCOLA DOMINICAL ATACA O QUARTO MANDAMENTO

Neste trimestre, os irmãos da igreja Assembleia de Deus estão estudando em suas escolas dominicais o tema “Os Dez Mandamentos: Valores divinos para uma sociedade em mudança”. Até agora, tudo vinha muito bem. Estudaram o primeiro mandamento. O segundo e o terceiro. Mas eis que chega o quarto, e o esperado acontece: dizem que esse mandamento não é bem assim; é “controverso”. Temos que amar a Deus sobre todas as coisas? Sim, claro. Não devemos adorar imagens? Sem dúvida. Não tomar o nome de Deus em vão? Jamais. Lembre-se do dia de sábado – o sétimo dia da semana – para santificá-lo? Aí, não. Esse mandamento era apenas para os judeus e foi “cravado na cruz” – as desculpas de sempre. Lamentável! Será que o autor (ou autores) desse guia de estudo tem noção do estrago que está fazendo ao desencaminhar tantas pessoas? Afinal, a Assembleia de Deus é a maior denominação evangélica do Brasil. Se ele (ou eles) estiver errado, estará atacando um dos dez mandamentos da sagrada e imutável (Mt 5:17-19) lei de Deus, escrita com o dedo dEle (Êx 31:18). Imagine se considerássemos o “não matarás” ou o “não adulterarás” também controversos, passíveis de interpretação? Abriríamos mais ainda a porta ao pecado e à transgressão. Então por que apenas um mandamento, o quarto, é considerado “controverso”? Vamos analisar essa questão, em benefício dos irmãos assembleianos e de todos os interessados no assunto. Para isso, é muito importante que você confira os textos bíblicos citados e acesse todos os links abaixo. E que faça isso com oração, pedindo orientação dAquele que inspirou a Palavra de Deus, o Espírito Santo.

A lição nº 6 da Escola Dominical deste trimestre (que pode ser lida aqui) começa afirmando que “o sábado é um presente de Deus para o povo de Israel” e que “a fé cristã é isenta de toda forma de legalismo”, já dando o tom do que vem a seguir. Para começo de conversa, o sábado foi dado “por causa do homem [ser humano]” (Mc 2:27), no Éden, para Adão e Eva, antes de existirem judeus ou quaisquer outros povos sobre a Terra (Gn 2:1-3). Aliás, esse texto menciona que Deus fez três coisas muito especiais e irrevogáveis no sétimo dia da criação: Ele descansou (cessou Sua obra e deu exemplo do que fazer no sábado), santificou (separou para um propósito especial) o sétimo dia e o abençoou (o que Deus abençoa ninguém pode “desabençoar”). Guardar o sábado, portanto, não tem nada a ver com legalismo, muito pelo contrário, tem a ver com celebração e adoração.

O guia prossegue: “Deus celebrou o sétimo dia após a criação e abençoou este dia e o santificou (Gn 2.2,3). Aqui está a base do sábado institucional e do sábado legal. O sábado legal não foi instituído aqui; isso só aconteceu com a promulgação da lei.” Essa separação entre o sábado institucional e o legal é inteiramente artificial. Prova disso é que em Êxodo 16, antes de terem sido dadas as tábuas com os dez mandamentos, o povo hebreu já estava sendo orientado a guardar o sábado. Neste momento, é muito importante que você leia este texto (“O sábado antes do Sinai”) e assista a este vídeo (clique aqui), com o mesmo título. Leia e assista com atenção, porque mais adiante o guia de estudos assembleiano chegará ao ponto de afirmar que os patriarcas não guardaram o sábado!

“O sábado institucional, portanto, não se refere ao sétimo dia da semana; pode ser qualquer dia ou um período de descanso”, afirma o guia. Como assim? De ponta a ponta, no Antigo e no Novo Testamento, a Bíblia é clara em afirmar que o sábado da lei moral (tanto o “institucional” quanto o “legal”, para usar a linguagem artificial do guia) é o sétimo dia da semana. De acordo com Gênesis 20:8-11, o sábado é o memorial da criação e deve ser guardado/celebrado justamente porque Deus criou em seis dias literais de 24 horas. Os adventistas são criacionistas exatamente (e principalmente) por esse motivo, e pregam o que está escrito em Apocalipse 14:6 e 7, ou seja, que devemos adorar “Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (numa alusão clara ao texto de Êxodo 20:8-11). Se o sábado pode ser qualquer dia da semana, por que os evangélicos insistem, então, no domingo? Não deveriam guardar nem defender qualquer dia santo, e simplesmente riscar da Bíblia deles o quarto mandamento.

Como eu havia dito há pouco, o guia afirma que “os patriarcas não guardaram o sábado. O livro de Gênesis não menciona os patriarcas Abraão, Isaque e Jacó observando o sábado”. Se isso fosse critério para a nossa vida, poderíamos adotar a poligamia, já que alguns patriarcas tiveram mais de uma esposa, e dispensar de vez o dom de línguas dos pentecostais, já que nenhum patriarca (aliás, nenhum dos servos de Deus na Bíblia) jamais falou as tais “línguas estranhas” (na verdade, Deus concede Seu Espírito àqueles que Lhe obedecem: At 5:32). Apesar de seus deslizes, os patriarcas procuraram ser fieis à lei de Deus (conforme você já deve ter visto nos links acima), e a lei de Deus inclui o sábado. (Sobre o sábado através dos séculos, leia este texto [aliás, leia todo o conteúdo desse site].)

Outra mentira: “Nenhum outro povo na história recebeu a ordem para guardar esse dia [o sábado]; é exclusividade de Israel (Êx 31.13,17 [esse texto menciona os filhos de Israel, e eu me considero um deles]).” Que falta faz ler a Bíblia com atenção. Veja isto: “Bem-aventurado o homem [aqui não diz judeu] que fizer isto, e o filho do homem que lançar mão disto; que se guarda de profanar o sábado, e guarda a sua mão de fazer algum mal. E não fale o filho do estrangeiro, que se houver unido ao Senhor, dizendo: Certamente o Senhor me separará do Seu povo; nem tampouco diga o eunuco: Eis que sou uma árvore seca. Porque assim diz o Senhor a respeito dos eunucos, que guardam os Meus sábados, e escolhem aquilo em que Eu Me agrado, e abraçam a Minha aliança: Também lhes darei na Minha casa e dentro dos Meus muros um lugar e um nome, melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará. E aos filhos dos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para O servirem, e para amarem o nome do Senhor, e para serem seus servos, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem a Minha aliança, também os levarei ao Meu santo monte, e os alegrarei na Minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no Meu altar; porque a Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos” (56:1-8; os grifos em “estrangeiro” e “todos” são meus, justamente para destacar o fato de que Deus deseja que todas as pessoas guardem Seus mandamentos, inclusive o sábado.)

Outro ponto: “O sábado e a circuncisão são os dois sinais distintivos do povo judeu ao longo dos séculos (Gn 17.11).” Igualar o sábado (estabelecido antes do pecado) com a circuncisão (depois do pecado) é outra leviandade. Como vimos, o sábado foi dado para a humanidade e é eterno, pois será guardado inclusive na nova Terra (Is 66:22, 23). Já a circuncisão, de fato, foi dada aos descendentes de Abraão e foi revogada pelos apóstolos (At 15:1-31). Em Romanos 2:25-29, Paulo chega a dizer que é inútil ser circuncidado e não guardar a lei de Deus.

“A expressão ‘Lembra-te do dia do sábado, para o santificar’ (Êx 20.8) remete a uma reminiscência histórica e, sem dúvida alguma, Israel já conhecia o sábado nessa ocasião. Mas parece [parece?] não ser referência ao sábado da criação.” Simplesmente absurdo! Como não se trata de referência ao sábado da criação, se o próprio texto dá o motivo pelo qual o sábado deve ser lembrado e guardado? “Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou” (v. 11).

O guia passa a usar Jesus com o objetivo de continuar descaracterizando o mandamento que o próprio Mestre guardou (Lc 4:16): “O Senhor Jesus Cristo disse mais de uma vez que a guarda do sábado é um preceito cerimonial. Ele colocou o quarto mandamento na mesma categoria dos pães da proposição (Mt 12.2-4).” Nada a ver! Jesus comparou a atitude dos discípulos de matar a fome no sábado (o que, definitivamente, não é pecado) com a dos homens de Davi, que só tinham os pães da proposição para comer e lhes foi permitido fazer isso. A lição é clara: Deus ama os seres humanos e criou a lei para eles e não eles para a lei. Os fariseus legalistas distorceram muitos mandamentos de Deus, inclusive o sábado, e Jesus veio ensinar a correta observância de Sua lei. Imagine o Cristo do Sinai (o Eu Sou de João 8:58) dizendo algo assim: “No monte Sinai Eu lhes dei Meus mandamentos, agora venho lhes dizer que aboli somente o quarto.” Faz sentido? Mas faz muito sentido o próprio Legislador ter vindo para ensinar como devemos guardar Sua lei. Só Ele tem autoridade para isso.

Veja mais esta: “Se o oitavo dia da circuncisão do menino coincidir com um sábado, ela tem que ser feita no sábado, nem antes e nem depois. Assim, Jesus mais uma vez declara o quarto mandamento como preceito cerimonial e coloca a circuncisão acima do sábado.” Típico argumento non sequitur, ou seja, uma ideia não tem nada a ver com a outra e não se segue a ela. Se preferir, pode chamar também de “balaio de gato”. Sinceramente, quem escreveu essas coisas terá que dar contas a Deus! Circuncisão era uma atividade religiosa, assim como o culto de sábado, a visita aos doentes, etc. Que pecado há em se praticar essas coisas no sábado? Onde está escrito isso? Pelo contrário, a Bíblia diz que “é lícito fazer bem aos sábados” (Mt 12:12). Essas coisas não são atividades seculares nem são remuneradas. Por que Deus “trabalha” no sábado? (Jo 5:17). Porque a atividade dEle consiste unicamente em manter-nos a todos com vida. A atividade de Deus é essencialmente “religiosa” e plenamente de acordo com o espírito do sábado. Francamente, não usemos Deus o Pai nem o Filho para sancionar nossas transgressões! Isso é grave!

Com isto eu tenho que concordar: “Jesus é o Senhor do sábado (Mc 2.28). O sábado veio de Deus e somente Ele tem autoridade sobre essa instituição.” E Ele em momento algum, em versículo nenhum sequer sugeriu que o sábado devesse ser substituído pelo domingo. Na verdade, em Mateus 24:20, Ele antevê Seus seguidores ainda guardando o sábado, quatro décadas no futuro. Se Ele fosse transferir o dia de guarda ou abolir o sábado, certamente teria feito algum comentário a respeito disso.

Outro absurdo: “O primeiro culto cristão aconteceu no domingo e da mesma forma o segundo (Jo 20.19, 26).” O quê? Aqui é melhor citar o texto na íntegra: “Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-Se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco” (v. 19). Eles estavam fazendo culto? Onde é dito isso? Estavam era com medo de ser mortos como o Mestre havia sido. Como podiam estar celebrando a ressurreição, se ainda nem criam nesse evento? E o verso 26 diz que Jesus tornou a aparecer oito dias depois, ou seja, numa segunda-feira.

Mais uma mentira: “O dia do Senhor foi instituído como o dia de culto, sem decreto e norma legal, pelos primeiros cristãos desde os tempos apostólicos (At 20.7; 1Co 16.2; Ap 1.10). É o ‘sábado’ cristão! O sábado legal e todo o sistema mosaico foram encravados na cruz (Cl 2.16,17), foram revogados e anulados (2Co 3.7-11; Hb 8.13). O Senhor Jesus cumpriu a lei (Mt 5.17,18), agora vivemos sob a graça (Jo 1.17; Rm 6.14).” O texto de 1 João 2:4 parece servir como uma luva em quem afirma coisas como essas. Os primeiros cristãos, a começar por Maria, mãe de Jesus (Lc 23:56; texto escrito 30 anos depois), e os apóstolos guardavam o sábado (At 16:13). João, no Apocalipse, lá pelo ano 100 d.C., disse ter sido arrebatado em visão no “dia do Senhor” (Ap 1:10), que, na Bíblia, é o sábado (Lc 6:5; leia também isto). Quem ousou mudar o dia de repouso foi o imperador pseudocristão/pagão Constantino, em 7 de março 323 d.C., tendo depois o aval da Igreja Católica Apostólica Romana. Essa igreja, pelo menos, tem um argumento “lógico” para o que fez: a autoridade do papa, que eles consideram até superior à da Bíblia. Mas como ficam os evangélicos, ao perceber que não existe base bíblica para se guardar o domingo? Têm que admitir que obedecem a um mandamento católico...

Quanto a Colossenses 2:16 e 17, ali lemos o seguinte: “Ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,
que são sombras das coisas futuras, mas o corpo é de Cristo.” O sábado da lei moral, estabelecido na criação do mundo, não era sombra de coisas futuras, pois, como já vimos, foi dado à humanidade antes do pecado. As cerimônias do santuário (a chamada “lei cerimonial”), essas, sim, foram abolidas na cruz, pois apontavam para Jesus, o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1:29). Leia novamente Colossenses 2:16 e 17. Algum mandamento do Decálogo menciona comidas, bebidas ou dias de festas? Claro que não. Isso pertence às cerimônias do santuário. As festas judaicas – como Páscoa, Primícias, Dia da Expiação – eram feriados nacionais, dias de descanso, por isso também chamadas de sábados, mas eram distintas do sábado semanal do quarto mandamento.

E a conclusão do guia da Assembleia de Deus é a seguinte: “A palavra profética anunciava o fim do sábado legal (Jr 31.31-33; Os 2.11). Isso se cumpriu com a chegada do novo concerto (Hb 8.8-12). Exigir a guarda do sábado como condição para a salvação não é cristianismo e caracteriza-se como doutrina de uma seita.” Aqui fica claro a quem eles querem atacar. Nenhum adventista do sétimo dia esclarecido crê ou ensina que a salvação se conquista pela guarda do sábado. Isso seria absurdo, e o guia mente uma vez mais. Cremos que a salvação é pela graça (Ef 2:8), inteiramente pelos méritos de Cristo. Obedecemos à lei de Deus porque entendemos que Ele sempre quer o melhor para nós (Sl 119:97); porque ela é como um espelho que mostra o pecado em nós mesmos (Tg 1:23-25) e aponta para Jesus como a solução. A lei diagnostica o pecado; Jesus perdoa. Amamos a Cristo e por isso obedecemos aos Seus mandamentos (Jo 14:15). Se isso é ser “seita”, prefiro pertencer a essa seita. Os primeiros cristãos também enfrentaram esse tipo de acusação (At 24:14).

O guia de estudos da Assembleia de Deus deste trimestre acusa na capa a sociedade de estar em mudança, mas se esquece de que os evangélicos aceitaram uma mudança muito pior que a da sociedade: a mudança na lei de Deus, promovida pelo poder descrito em Daniel 7:25 e Apocalipse 13. Oro para que muitas pessoas sinceras, ao estudar esse guia da Escola Dominical, sejam despertadas pelo Espírito Santo, façam perguntas, questionem a si mesmas e a seus líderes, e tenham a humildade de reconhecer o verdadeiro Deus Criador e Seu memorial eterno da criação.

Michelson Borges Mestre em Teologia, Membro da Sociedade Criacionista, Jornalista, Escritor e Editor da Casa Publicadora Brasileira.
(Blog Criacionismo)

PARA SABER MAIS LEIA OS LIVROS Do Sábado Para o Domingo, O Sábado Na Bíblia
VEJA ESTES VÍDEOS SOBRE O SÁBADO, DO PROGRAMA NA MIRA DA VERDADE (Assista Aqui

Leia mais sobre este tema:
A GRAÇA DE CRISTO ANULA A LEI? A LEI FOI ABOLIDA NA CRUZ?

A LEI E O EVANGELHO ESTÃO DE MÃOS DADAS




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...